08 junho 2007

Postais Caramelos 4 - As Festas Populares

111

Cantava Buarque "Estava à toa na vida, o meu amor me chamou, para ver a banda passar, tocando coisas de amor"...

Eu e ela, não fomos propriamente para ver a banda, mas foi noite de Cortejo Etnográfico nas Festas Populares de Pinhal Novo e esse veemente pulsar caramelo tinha mesmo que ser sentido in loco.
Carros alegóricos, puxados por tractores, iluminados a preceito, desfilaram exibindo reproduções da velha estação da CP, da Igreja, do chafariz, entre outras, embaladas num misto de bocejos e euforia.
Moda caramela também em destaque, já a merecer um certame em nome próprio. Tambores e gaitas de foles. E cães assustados com o rabinho entre as pernas.
Genuíno orgulho de ser caramelo este, desta mescla de gente vinda do norte e do Alentejo, que assentou arraias em Pinhal Novo, entre o Tejo e o Sado.

Em tudo o mais as Festas Populares deste ano estão mais fraquinhas. A começar pela pimboseira do cartaz, anunciando Ágata, Vitorino e Toy. Os dois primeiros não encheram a Praça da Independência, longe disso. O último canta, ou melhor, grita no Domingo, último dia da edição deste ano e possivelmente o último dia de sempre. É que as sequelas causadas pelos gritos do Toy são semelhantes aos estragos causados pelas bombas atómicas em Hiroshima e Nagasaki.
De qualquer forma, a construção de um mega-bunker debaixo do campo de relva artificial do Pinhalnovense está na fase final e por isso não tenho assim tanto medo do berrador setubalense...

E se os espectáculos são mais fraquinhos que em edições anteriores, a oferta de comes e bebes nunca foi tão abundante. Não só porque é importante distrair a caramelagem com alguma coisa, como se afigura de bom tom disponibilizar cerveja ao desbarato, para combater os perigos de insolação do deserto sulista, mesmo que à noite.

E assim, um pouco por todo o lado, vendiam-se farturas, churros, bifanas, charros e drunfos, febras, cachorros, caracóis, imperiais, vinho carrascão, doçaria regional e a espectacular Sopa Caramela, que deveria ser servida nas escolas básicas em substituição de sumos ou leitinhos de chocolate.
A sopinha tem repolho, feijão, carninha e um 'je ne sais quoi' que revitaliza corpo e mente bem mais depressa do que 10 latas de Red Bull. Mas é bom que os ingredientes estejam fresquinhos porque em vez de gritar "Sopa caramela dá-te aaaasas!!!", poderá lamentar um "Sopa caramela dá... ASAE"...

Depois existem dois guetos tribais já com alguma tradição: o espaço dos motards e o Pátio Caramelo. Num e noutro local, a cerveja jorra em maior quantidade que a água que corre no Nilo, com milhões de decibéis em alta potência a fazer a vez de crocodilos.
De resto, a poluição sonora no Pátio Caramelo é tão intensa que a Sonotone está a pensar patrocinar o espaço em exclusivo, no próximo ano.

E há ainda as noites de fados, de largadas e de marchas populares. Os stands comerciais e outros representativos de instituições e associações da maior importância como o Núcleo de Árbitros de Pinhal Novo. Oh, o que seria daquela vila sem o seu prestigiado núcleo de árbitros responsáveis por iniciativas inesquecíveis como... como... o de terem direito a uma barraquinha nas festas...

E claro, os carrinhos de choque, o carrocel Royal e todos os outros, a barraca dos matraquilhos e jogos electrónicos ou os divertimentos mais radicais como os saltos de elástico, o escorrega-gigante ou o "estaciona onde puderes".

Se sobreviventes houver depois do atentado toyrrorista, tudo vai terminar com um monumental fogo de artifício, espécie de assinatura divina em technicolor, como que garantindo que na segunda-feira tudo voltará à normalidade.
Espero que sim.
Não só por causa do barulho e da confusão.
É que não gosto de estacionar em cima de postes de electricidade.

12 comentários:

FL disse...

Já estou a ver que o fim-de-semana vai ser em grande: drunfos, Toy e fogo de artifício!
Também fazes parte da rotina, rapaz. O que seria de mim, sem a tua escrita fantástica?

Beijos, caramelo.

João Paulo Cardoso disse...

Flora:

Como o rapaz faz por merecer as luzes dos holofotes, o meu maior sonho é que o fogo de artíficio seja direccionado bem para cima do Toy.
De preferência por trás.

É que apesar de se chamar Toy, a música dele não é brinquedo!!

SOCORRO!!!

FL disse...

Se queres dançar,
e não tens par
Chamó António,
Chamó António!

Queres mais?
Olha que eu sei...;)

Beijos

Anónimo disse...

E finalmente terminam as festas caramelas ... que este ano estiveram mesmo caramelas ... Xiça !!

A coisa ainda começou bem a uns anos atrás, com os Xutos e Pontapés, depois ainda se "papou" as escolhas seguintes: GNR, Silence4, Pedro Abrunhosa ... enfim, a coisa ia indo, a descarrilar aos poucos, mas ia indo ... mas estas 2 ultimas ediçoes foram mesmo más.

Até no numero de barraquinhas houve um decrescimo ... parece que a comissao das festas pediu muito dinheiro, e a crise nao permite que se faça grandes negocios durante as festas ... o que convem, já que as barraquinhas acabam por funcionar como um mero "anuncio".

Enfim, algo deverá de mudar e talvez começando por uma "transfusao de sangue", mas isto sou eu ...

Grettir

Forcada disse...

Em matéria de espectáculos, diria que as Festas foram mesmo "pimba", o que talvez não tenha o significado etnográfico e cultural de dizer que as Festas estiveram "caramelas". Já não pedia que desviassem os Pearl Jam de Oeiras para o Pinhal Novo (se bem que o Vedder iria adorar o ambiente), mas, bolas, não haver ninguém na organização que conheça mais da música portuguesa do que o Rui Veloso ou o Vitorino é triste! Por outro lado, o cartaz nem justificava o aluguer do palco grande (mais vocacionado para um concerto rock), que esteve várias noites vazio... Tinha-se recambiado aqueles artistas para o palco do coreto, e sempre se poupavam uns tostões!

Agora, Grettir, o mais sério. Como concordo com a "transfusão de sangue", desafio-te a arranjar meia dúzia de gajos que conheçam os Da Weasel (e os Gift, já agora...) e que aceitem trabalhar muito sem receber nada em troca, mas que não sejam sectários nem fundamentalistas e, sobretudo, que consigam trabalhar em equipa com alguns mais velhos que queiram continuar, em vez de ter de correr com eles à força... Ou seja, sangue novo sim, mas só com um bocadinho de humildade... Porque de pessoal com a mania que é dono da verdade já eu me fartei!!

Anónimo disse...

A coisa nao anda facil amigos compatriotas...

Ja o nosso conhecido Robbie Williams da por aqui uns mini-concertos pelo maior centro comercial ca da zona...

Isto toca a todos :)

nf

Anónimo disse...

Forcada:

Epa, o que eu quiz frisar, é certo e sabido que é necessário essa "transfusão de sangue" de tempos a tempos ... Já a nossa Constituição refere isso mesmo.

Também é certo que não é necessário se conhecer pessoalmente os "Da Weasel" ou os "The Gift" para se entrar em contacto com o manager deles e tentar agendar um concerto mediante negociação do cachet. Não creio que a comissão das festas tivesse conhecimentos pessoais com os Xutos, os Silence4, o Abrunhoso ou mesmo os GNR ...

Em relação ao facto de eu dizer que as festas estiveram mesmo caramelas, voltarei a dizer o mesmo.
Porque etnograficamente falando, o Pinhal Novo pode ser a "capital caramela", mas tem muito pouco de caramelo. Experimentem ir a um bailarico no Lau, Lagoa da Palha, Lagameças, etc e tais ... e vejam se é ao som dos Da Weasel que se dança, ou mesmo dos Gift ... quem prevalece nesses bailaricos é mesmo a música pimba. Essa é a verdadeira gente caramela, e não os pinhalnovenses. É triste mas é verdadeiro. E eu sou filho da terra, nascido e criado no centro do Pinhal Novo, com imensos colegas de escola provenientes das "verdadeiras" terras caramelas - Lau, Lagameças, Valdera, e afins ...

E quem é que mencionou que é dono da verdade ?
A verdade faz-se com a juventude, e essa não é "achada" para as festas. E já vi muitos "cotas caramelos" que moram no PN a mais de 40 anos a dizer que as festas foram uma treta.

Hey, but that's me ... um tipo das ciências exactas para quem 1 + 1 será sempre 2 por muito que se filosofe pelo caminho ... os factos contam e são os únicos que prevalecem.

Em relação às bandas, se quiserem contactos, poderei tentar junto de algumas produtoras nossas clientes para disponibilizarem esses ditos cujos "connections" ;)

Ha det bra
Grettir

Mad disse...

Era só para dizer que ainda estou com dores de estômago de rir do que li aqui. Faz só um intervalozinho e depois continua igualzinho, por amor de Deus!!!

Bjs,

Forcada disse...

Uuuiii...

Podíamos arranjar aqui uma polémica muito interessante, mas acho que ainda não é desta!

Quem é que falou em conhecer "pessoalmente" os artistas mencionados?! Eu referia-me a "conhecer artisticamente"...

Os bailaricos do Lau não devem ser nada tristes, antes pelo contrário. Cada coisa no seu sítio e o que lamento é que nas nossas Festas não haja também espaço para os Da Weasel, por exemplo. Mas deixem lá estar os "pimba" também, que não pretendo exterminá-los nem impor os meus gostos.

«A verdade faz-se com a juventude»??? Huummm... O Bowie andará agora mais longe da "verdade" do que há 30 anos? Por acaso nunca pensei assim mas, caso pensasse, de certeza que isso já me tinha passado. Acredito que tenho umas coisinhas a aprender com os mais velhos e que talvez também já consiga ensinar outras aos mais novos.

Do que eu gosto mesmo é de tolerância: cultural, geracional, política, desportiva... O contrário, por exemplo, daquela senhora que estava a ver a corrida de toiros e se voltou p'ra mim a perguntar o que é que eu estava ali a fazer, por se ter apercebido, pelos meus comentários, que não sou "aficcionada" nem percebo nada daquilo!

O que quer dizer «Ha det bra»?

Beijinhos.

Anónimo disse...

Eheheh ... a polémica ia estalando.

"Ha det bra" quer dizer "Até breve" num dos dialectos noruegueses.

Quando referi os bailaricos das localidades das redondezas, nao foi com pensamento depreciativo. Claro que ha espaço para tudo e todos.

O que muita confusao me faz, é tentar compreender como é que alugam um palco grande, para depois se colocar cantores que vao abrilhantar festas nas "santas terrinhas" em palcos minusculos.

Se querem bailarico, criem um palco mais pequeno com recinto para o dançarico. O que, aliás, era feito dentro do campo de futebol do ringue em edições anteriores. Pq a diferença este ano?

Enfim ...

Em relaçao ao "a verdade faz-se com a juventude", nao me referia a artistas novos, mas sim a juventude da terra.

É certo que a população está envelhecida, mas irra... em três concertos três (!!), são os três pimba e direccionados para outra juventude - a dos bailaricos.

Bastava haver um desses concertos direccionado para um publico mais generalizado para acalmar as hostes locais.

Em relaçao a festas, o que posso dizer é que estou desejoso que venha o FIG.

Ha det godt (Fica bem)
Grettir

Forcada disse...

Lol

João Paulo: Por onde andas? Sucumbiste ao toyrrorismo de ontem? Ou caiu um foguete no teu sótão? Não apareces, e a gente toma-te conta do tasco! Depois queixa-te... Ha det bra (espero)!

Grettir: Agora, concordo com tudo o que dizes, excepto com essa de que «a verdade faz-se com a juventude». E olha que eu entendi e também me refiro à juventude da terra («sangue novo») que se considera dona da verdade (a tua afirmação até vem confirmar o meu desabafo)! Dei o exemplo do David Bowie como poderia ter dado de um «cota caramelo» qualquer, mas como estávamos na área musical... optei por um cota camaleão. Ha det godt!

João Paulo Cardoso disse...

Grettir e Forcada:

Reparei que transformaram este espaço num Forum sobre as últimas Festas Populares do Pinhal Novo.

Só tenho a dizer que foram as piores de sempre. Em termos de cartaz, de afluência, de representação comercial e associativa.

A Associação ARCADA, de que faço parte viu ignorado um pedido para a utilização de um pavilhão/barraquinha, sem que fosse apresentada qualquer justificação.
Se fosse um stand comercial a pagar bem, a resposta era outra.

Quem pouco dinheiro tem, e faz só por fazer, mesmo escudado na "tradição" de 11 anos, mais valia estar quieto.

Só por uma vez fui às Festas este ano. Na noite de fogo de artifício pós-Toyrrorismo, estava deitado há muito, com uma monumental dor de cabeça.
Nem sequer espreitei, mas até pelo que ouvi (fsss... pum! fsss... pum!)não deverá ter sido famoso.

"Ha det bra" ??
Só espero que os elementos da Associação de Festas não saibam norueguês...