12 novembro 2007

Os Encadeados

O Eldorado - Edição nº 183

"À saída do hospital depararam com o tenente Anderson, que também ia visitar o Coveiro."

A frase, não é uma pérola literária, não me pertence e também não pertence a um clássico como "Guerra e Paz". Trata-se da parte final do "Cidade Escaldante", um policial de Chester Himes que é actualmente a minha (pouco intelectual) leitura de cabeceira.
E aparece neste blog porque cedi, enfim, aos pedidos feitos por vários blogueiros agrilhoados à corrente da "Página 161".

É mais uma dessa correntes patetas que andam por aí e que resultam numa absoluta perda de tempo e desnecessário gasto de energia pessoal, que podia - e devia - ser canalizado para algo mais interessante como levar roupa usada a uma Casa do Gaiato ou gastar dez minutos a coçar o escroto que, julgo eu, não requer a atenção de terceiros.

E só cedo ao capricho desta corrente em especial, porque vejo nela uma centelha de criatividade e daí, já não sei bem porquê nem onde, mas tudo bem.
A corrente da "Página 161" funciona assim:

1. Pegue no livro mais próximo, com mais de 161 páginas – implica acaso e não escolha.
2. Abra o livro na página 161.
3. Na referida página procure a 5.ª frase completa.
4. Transcreva na íntegra para o seu blogue a frase encontrada.
5. Passe o desafio a cinco bloguistas.

Passo o desafio a cinco blogs que estão parados há uma série de tempo, por duas razões de contornos opostos.

Primeiro, para avaliar até que ponto os blogs que vou citar regressam à actividade. Podem entendê-lo como
"o velho JP a espicaçar blogs moribundos".
Segundo, para garantir que esta corrente estúpida morre aqui e agora. Podem entendê-lo como
"o velho JP é um filho da mãe".

E os nomeados são, sem links nem nada, "Null Fame", "Gal in Blog", "Muro das Lamentações", "O Prazer da Insolência" e até "Gato Fedorento".

E, como do mal o menos, escrevo à velociade da luz, a única razão que me leva a perder dois minutos a dedicar um post inteiro às correntes patetas e encadeados pelas ditas, é... puro desabafo.

A paranóia colectiva que se vive por aí, não satisfeita por ter tomado conta do meu telemóvel, chegou com força à blogosfera. Pensava eu que os blogs servissem para difusão de textos com opiniões muito pessoais sobre tudo e mais alguma coisa, músicas que gostamos de partilhar, exposição das faculdades de cada um ou até algo que me rendi, troca de comentários sobre o que cada um escreve, a face mais visível do feed-back aos nossos devaneios.
Mas parece que isto não chega.


Quanto ao telemóvel, estou farto de o ver atafulhado com mensagens como esta:


"Hoje ao acordar um anjo perguntou-me:
Que queres que faça por ti hoje?
E eu respondi:
Por mim? Cuida antes da pessoa que está a ler esta mensagem, porque os amigos são muito importantes para mim, e se eles estiverem bem (uah... bocejo) eu também estou.

Envia este sms a todos aqueles amigos que consideras especiais. Se não receberes nenhuma de novo, não fiques triste (triste?! Se não recebesse mensagens parvas como esta? Pois, pois...), eu já te disse que pelo menos para mim, és um amigo muito especial."


E muitas mais dentro deste género ou de profundo mau gosto como "se não mandares esta mensagem a 15 pessoas vai acontecer uma desgraça na tua vida" ou até uma que me enviaram "em nome das crianças que sofrem".

Sim, psst! Tu, que estás aí a morrer de fome no Darfur!
Olha, enquanto comes raízes eu preocupo-me contigo e estou aqui, a desempenhar com afinco o meu papel de imbecil, a enviar mensagens do meu telemóvel... ah, tu não sabes o que é um telemóvel? Que pena... tinha aqui uma mensagem que tenho de enviar a 21 desconhecidos... olha, deixa estar
.

Querem participar em algo grandioso? Adoptem um animal abandonado, ofereçam-se como voluntários numa instituição de solidariedade ou simplesmente, como escrevi acima, limitem-se a coçar o escroto e não me chateiem.

7 comentários:

Visão Caleidoscópica disse...

Desconhecia a tua veia poética, mas obrigada por ma teres revelado.
Era segredo?
Ops...desculpa!
Mas às vezes acertas em cheio!
Beijos
Até mais....

PS: Confesso que não li o teu post.
Desculpa mas estou cheia de sono.
Volto depois. Até amanhã!

av disse...

Que mau feitio, JP!
Aposto que não te importavas que te acorrentassem às... como direi... bóias, enfim... da sabrina, aquela moça italiana que dá saltinhos na piscina do El Dorado até conseguir fazer cair o soutien do biquini. Acertei?

bjs

Susana disse...

FINALMENTE UM ILUMINADO...

Oh JP, dá cá um abraço, haja alguém com bom senso e clareza de ideias. (Sim, é estranho, mas pareceu-me que hoje estás assim... assim pró clarinho).

Vamos fazer um apelo, chega de sms e e-mail inteligentes a ameaçarem-nos com a queda de um braço ou o apodrecimento do intestino delgado caso não nos lembrarmos desta formas das criancinhas e afins...
O mundo seria bem melhor sem essas correntes.
Quando à coisa da página cento e tal, até é giro. Não dava para mim, teria de se desafiar outros cinco e eu não tenho cinco lunáticos capazes de me ler.

Um dia quando crescer talvez... não.

Beijos (hoje estou por aqui cheia de tempo para queimar...) :)

JP disse...

Maria:
A "minha veia poética" está muito pouco explorada, é um facto.

Escrevi alguns poemas quando era mais novo, mas eram todos maus de mais para continuarem fisicamente entre nós.

E acho que não melhorei nada, mas pronto, se estiveres contente eu também estou.

Beijos.

JP disse...

Susana:
Ainda bem que concordas comigo em relação a esta coisa que dá vómitos, "a praga das correntes".

Jamais surfarei essa onda.

Um abraço vai a caminho.

JP disse...

Ana:
Boa ideia!

"Molhado, molhado
quero ver a Sabrina
e o JP
na piscina
do Eldorado.

Manda esta mensagem para 15 amigos teus e realiza o sonho do JP.
Se ignorares esta mensagem morrerás de flatulência em menos de seis horas."

Sorry, Susana.
Se não consegues vencê-los...

Beijos, Ana.

Susana disse...

JP, por favor mantém-se sóbrio, resiste à tentação. Eu estou aqui, resiste...