13 fevereiro 2007

Homossexualidade

Post nº48

De uma vez por todas e com todas as letras: NÃO SOU HOMOFÓBICO.

Não tenho preconceitos de espécie nenhuma, muito menos esse. Aqui à direita até está, desde há meses, um link para um blog assumidamente gay que é uma pérola de boa literatura que espero um dia ver editada;
Desejo que num dos próximos referendos se coloque a questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo, a que votarei "sim", tão veementemente como votei "sim" no referendo sobre a IGV;
Vi uma série de filmes do Almodóvar e "O Segredo de Brokeback Mountain" e nunca me chocou o que vi;
Já vi "filmes gay" e não perdi a masculinidade por causa disso;
Tenho amigos homossexuais, homens e mulheres;
Tenho desde sempre, simpatia pelo amor entre mulheres. Até mais do que simpatia. Diria fascínio.

Tudo isto a propósito de três comentários anónimos que encontrei perdidos à deriva num post que até já tinha esquecido ("E agora, algo bizarro. E verídico", post nº 37, de 25 Janeiro de 2007). Atendendo a algumas frases, o comentário anónimo, partiu de alguém que julga que me conhece. Está enganado/a.
5 pontos:

1- Em momento algum manifestei aversão a lésbicas. O que me repugnou verdadeiramente nesses estranhos dias, não foi a orientação sexual das pessoas em causa, mas sim o baixo nível, a mesquinhez e a arrogância que não ajudavam, pelo contrário, à fealdade de uma das pessoas em causa que, sentindo a sua vida em areias movediças, quis arrastar consigo outros que nada tinham a ver com a história.

2- Não me preocupa ter exposto a privacidade de "uma colega de profissão", porque essa condição (de privacidade), foi desde cedo descurada pelas intervenientes, como dezenas de condóminos de um prédio de seis andares poderão testemunhar. E sabe tão bem quanto eu, que são bem piores os mexericos em comunidades mais pequenas, onde todos se conhecem, do que um post na imensa blogosfera, sendo que nunca identifiquei caras e nomes.

3- Quanto a "cuspir na sopa que me matou a fome", devo dizer-lhe que nunca passei fome, graças a Deus. Se acha que o que ganho dá para matar a fome, far-me-á o favor de dizer onde é que come por tão bom preço. Quanto a "alguém que me ajudou", está a ver a história ao contrário. Não trabalho por esmola, mas sim porque fui requisitado para um serviço que não estava a ser prestado. Só não vê quem não quer. Só fala quem não sabe.

4- Sei que os posts que escrevi "não são de bom tom". Foi reflexo de ameaças que me foram feitas, manifestamente mais rasas. Resolvi desabafar na blogosfera ao jeito de "vejam lá o que me está a acontecer". A opção reveladora de maior nível de cidadania, passava por uma queixa na polícia.
Mas em relação a escrita de cariz ordinário, devo dizer-lhe que me ganha aos pontos.

5- E no que concerne a um eventual recalcamento gay, não lhe sei dizer. Sei que não tenho a mínima vontade de vestir-me de mulher no Carnaval. Conta?

Volto ao ponto de partida.
Não sou homossexual, assim como não sou homofóbico.
Aponto o dedo à desorientação de carácter, não à orientação sexual.

Por último: Não se arvore em paladino/a da defesa da causa homossexual a coberto da capa do anonimato. Assuma-se publicamente para ser coerente.
Fico à espera.

5 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João Paulo Cardoso disse...

Anónimo:

O seu comentário foi removido por se apresentar incongruente.

João Paulo Cardoso disse...

Só mais umas coisinhas. Óbvias. Para alicerçar a sua incongruência.

- Se o seu comentário fosse publicado, acabava por dar mais dicas sobre a identidade das "senhoras", do que aquilo que eu fiz em três meses de blog. Cai por terra as suas preocupações pela privacidade.

- COMO BEM SABE, fazer um bom trabalho nesta área requer... deixe cá ver...diria "um mínimo de condições de trabalho", que não existem. Já foram requisitadas. Não vieram.
Mas está convidada para vir até aqui (re)ver com os seus próprios olhos.

- Tem razão quanto à "importância das manhãs", mas não me pagam para as fazer, quanto mais fins de semana.

- A única "vida pessoal" que trouxe para aqui, foi a minha. Que envolve outras pessoas.
Aconselho a leitura de outros blogs para se familiarizar com o conceito.

- E apesar de já saber quem é, não escrevo sobre si, baseado em "afirmações de quem a conhece".
Prefiro conhecer as pessoas pessoalmente antes de tecer considerações baseadas em "diz que fulano tal, blá, blá, blá".

- Por isso, faça o mesmo. Envie-me um e-mail e vamos beber um cafezinho.
E não. Não escreverei sobre isso, se passar no teste.

João Paulo Cardoso disse...

cardoso.jpaulo@gmail.com

Anónimo disse...

Meu caro João Paulo Cardoso não faço questão de passar pelo anonimato, até porque assumo sempre aquilo que digo ou penso das pessoas, mas também não faço questão alguma de tomar um café consigo. Até porque nunca se sabe quando poderia ver escrito neste blog todos os pormenores desse café expostos num blog. Por outro lado, não estou em fase de avaliação para passar em qualquer tipo de testes, e muito menos avaliados por si.