02 março 2009

Diário


Segunda, 23 Fev. 09

As segundas são sempre complicadas.
Ritmo intenso depois de um dia dedicado ao dolce fare niente.
Este deveria ser um dia de transição, com a chegada ao trabalho a acontecer apenas depois do almoço.
Trabalhar-se-ia duas ou três horas para dar tempo de sair e apanhar sol numa esplanada e depois seguir para o cinema aproveitando os bilhetes mais baratos.
Isto é que deveria vir no novo "Código do Trabalho".

Terça, 24 Fev. 09

Fujo do Carnaval desde sempre.
Faz-me espécie como é que um país cinzento e deprimido desata a mergulhar em papelinhos coloridos e decotes de mulatas como se não houvesse amanhã.
Marmanjões de bigode travestem-se de matrafonas e o país esforça-se por copiar o Brasil nos mais infímos pormenores.
Tarefa desempenhada com êxito não durante estes três dias, mas no resto do ano.

Quarta, 25 Fev. 09

Dezenas de pessoas no Largo José Maria dos Santos, em Pinhal Novo para assistir à leitura do testamento de José Maria Bacalhau.
O tradicional Enterro do Bacalhau coloca ponto final nos festejos apalhaçados e, só por isso, merece o meu enlevo.
E desta vez coube-me a tarefa de redigir tão inusitado pedaço de prosa repleto de caganitas de ovelha e alusões à virilidade do Burro da Barroca.
O público aderiu mais aos comentários brejeiros das viúvas do defunto, inspiradas no seu papel de Marcelas Rebelo de Sousa da vida local.
Humor de consumo rápido, básico, com um travozinho a paneleiragem e as massas aderem e deliram.
Vou apontar.

Quinta, 26 Fev. 09

Amanhecer violento.
Páginas de verde manchadas de vermelho, o Sporting trucidado pelo Bayern Munique na noite anterior.
0-5 na quarta-feira de cinzas.
Já não acredito em Fénixs esta época.

Sexta, 27 Fev. 09

Mais dois dias e acaba.
Detesto Fevereiro, pelas más recordações, pela ausência de sol, pela forma como as bruxas dançam à volta da fogueira.
Se Fevereiro prestasse tinha 30 ou 31 dias como os outros.
Alguém achou que não valia a pena tanto tormento.

Sábado, 28 Fev. 09

Impulso masoquista leva-me a assistir ao Festival RTP da Canção.
A memória viaja até aos anos 70 e 80 e a comparação com... "isto", enfim...
Panorama confrangedor, deplorável, moribundo e enorme passo atrás nas carreiras de Nucha, Romana, Tayti e Luciana Abreu.
A canção vencedora, dos Flor de Lys, não augura nada de bom para uma participação além-fronteiras.
Também não havia melhor, é verdade.

Domingo, 01 Mar. 09

Finalmente Março.
Vem aí a Primavera e bons momentos, espero.
O início apresenta-se ainda titubeante.
Tal como lá fora, há ainda nuvens a soprar para longe.
E estar em baixo de forma não ajuda nada.
Mexe-te, Johnny.
Pareces uma foca.

4 comentários:

Maria do Desassossego disse...

Johny,
Queres ir para a aeróbica comigo?
Na 1ª aula ia morrendo, mas depois habituei-me:-)

Beijos

Patrícia disse...

mas uma foca jeitosa...

João Paulo Cardoso disse...

Dancing Queen:

Aeróbica?
Fico cansado só de imaginar aqueles instrutores que parecem electrocutados ou possuídos pela Deusa do Café.

E aquelas meninas todas de rabo para o ar?
Não há pachôrra para algo assim tão... tão...

Quando é que começo?

;)

Beijos.

Ps: Já comecei a mexer-me como podes ler no último post.

João Paulo Cardoso disse...

Patrícia:

É verdade, confesso que sou uma foca que mantém alguns encantos!

Mas isso já vem de família, da parte da minha mãe, Motherfocka.

;)

Beijos de foca.
(em troca de duas sardinhas)