24 março 2009

O Homem-Traça e a Traça da Liga


Tal como Peter Parker, Peter Silva foi mordido por um insecto na sua juventude.
Na dele, não da sua que está para aí sentado a ler esta bodega em vez de bulir até suar.
Saiba que a sua atitude pasmacenta frente ao computador leva-me a apostar que, a ser mordido por alguma coisa, terá sido por uma mosca do sono.
Mas não estamos aqui para falar de si, pois não?
Ah, bom.

Pois tal como o pobre Peter fotógrafo foi mordido por uma aranha, o Peter futebolista, então nos escalões jovens do Palmeiras, foi mordido por um insecto, no caso uma traça.

Estávamos no Verão de 1998.
Milhares de portugas e também alguns espanhóis e dois ou três japoneses viciados em câmeras fotográficas passavam a tarde na Expo, em enormes bichas.
E no Brasil um enorme bicho passou uma tarde inteira com Peter Silva.

Um insecto, no caso uma traça exposta a radiação nuclear e a programas da Xuxa em calções, mordeu o nosso herói mulato num sítio sensível como o caraças.
Exacto, no mamilo esquerdo.

Peter Silva dormia uma sesta debaixo de uma goiabeira quando foi torturosamente molestado na sua auréola mamilar canhota, mas não tugiu nem mugiu porque aquilo doía mas, ao mesmo tempo, era uma sensação mais prazeirosa que bezuntar o rabo da Gisele Bündchen com arroz doce e lamber tudo até ao fim.

E o nosso herói... ficou com capacidade de voar entre papoilas e girassóis?
Nem por isso.
Tornou-se um devorador de adereços vintage pendurados no armário da avó?
De todo.
O que aconteceu foi que ele ganhou uma aversão a traças que o leva quase ao despero, quando dá de caras (ou de mamilos) com uma.

Sábado à noite, no Algarve, na final da Taça da Liga frente ao Benfica, diz-se que, maldosamente, alguém soltou uma traça africana, das mais mazinhas e venenosas, no estádio onde Peter Silva e seus amigos davam uma coça aos jogadores do Benfica.

De súbito, Peter Silva corre a uma bola enviada em balão por Di Maria quando...
Meu Deus! Uma traça africana na bola!
E Peter Silva dá-lhe com o mamilo exterminador, tendo sido assinalado mão, falta, cartão amarelo, penalty e o fim do mundo, por esta ordem.

Dada ordem de expulsão por Lucifer, digo, Lucílio, Peter Silva dirige-se ao árbitro para explicar que tinha jogado a bola com o peito, porque ninguém iria acreditar na história da traça assassina, mas...
Bolas! A traça africana está no peito do Lucifer, digo, Lucílio!!

O nosso herói, com medo que outro espécime humano (ou parecido) fosse infectado, põe de novo o seu mamilo maravilha em acção e tumba!
Uma peitada no árbitro, vista como uma agressão.

Finalmente, no momento de atribuição das medalhas e já mais calmo, Peter Silva nem queria acreditar!!
A traça africana gozava consigo ali em baixo, no meio da relva!!

E agora?
Utilizar de novo o seu estupendo mamilo poderia ter consequências desastrosas...

Peter Silva resolve então, e bem, arremessar a sua medalha contra os cornos do raio da traça que finalmente morre na noite gélida algarvia.

Pois, mas o acto heróico de Peter Silva é visto como desrespeito, revolta intolerável em recinto desportivo e até como atentado ambiental porque aquela relva aos bocados era bonita demais...

Triste e cabisbaixo, jurando pelos seus filhos que tudo fez com boa intenção, Peter Silva, o Homem -Traça, percebe, enfim, que o verdadeiro inimigo era mesmo Lucifer, digo, Lucílio, uma barata asquerosa que tinha dizimado todos os seus amigos.

Deveria ter atirado a medalha à cabeça dele, mas era tarde demais.
Além disso, esse era um trabalho para o Homem-Barata Tonta.

5 comentários:

cabaret disse...

"... uma sensação mais prazeirosa que bezuntar o rabo da Gisele Bündchen com arroz doce e lamber tudo até ao fim.

E o nosso herói... ficou com capacidade de voar entre papoilas e girassóis?"

Isto é que é uma escrita de peito(silva).


:) grandes momentos.

João Paulo Cardoso disse...

Cabaret:

Quase nunca acontece mas desta vez até eu gostei do meu texto.

Estou orgulhoso, de peito inchado.

Um abraço.

Anónimo disse...

Mais vale uma taça na mão, que 10 mil lagartixas a chorar!

Vermelhusco!

João Paulo Cardoso disse...

Anónimo Vermelhusco:

As lagartixas choram?
Não sabia, mas acho pouco interessante.

Recomenda-se que gaste menos horas da sua vida a ver a "National Geographic".

N.M disse...

lol
bom texto...lol
concordo...a relva não tinha culpa nenhuma e não devia ter levado com a medalha em cima!!!
abraço