04 outubro 2007

Réquiem para um Telemóvel

O Eldorado - Edição nº166

O meu telemóvel faleceu ontem a meio da tarde.
Os últimos sinais vitais soaram perto da meia-noite. Ouviram-se os habituais quatro toques de aviso de mensagem e o rebordo tingiu-se daquele neon azul-turquesa que adorava. Mas já não consegui ler essa mensagem. O pequeno Nokia suspirou e morreu.

Provavelmente, a mensagem diria o seguinte:
"Querido dono: Eu sei que estes momentos são complicados, mas esta é a hora de dizer adeus.
Já dei o que tinha a dar, mas, se bem te recordas, apesar de termos estado juntos apenas 30 meses, dei-te muito. E tu a mim.
O toque dos teus dedos nas minhas teclas era inconfundível.
E... só queria dizer que.... e-eu... eu... Puff!"

- Tu "puff"? Espera!! O que ias a dizer? Não morras!! NÃÃÃÃÃÃÃÕOOOoooooooooooo!!!!

Tem razão, o saudoso objecto de comunicação móvel. Ele era especial.
Foi com ele que recuperei o trilho perdido de uma velha paixão que é, ainda hoje, a mulher que amo e com quem quero passar o resto da minha vida.

A 24 de Maio de 2005, uma colega do Curso de Contabilidade cedeu-me a chave encantada de nove números que, enfileirados de forma correcta, davam acesso em primeiro lugar, a uma doce voz desaparecida há quase dez anos; permitiam depois o ansiado reencontro; e finalmente, o namoro, como estava escrito nas estrelas.
Esse número mágico foi então guardado na memória do telemóvel que ontem morreu.

As primeiras chamadas dela foram feitas com o velho toque polifónico "Light My Fire" dos Doors. Toque que permaneceu durante estes dois anos e meio. Por inexplicável superstição, por exacerbado sentimentalismo.

Muitos sms's foram trocados, muitos "boas noites" em noites chuvosas, em que só apetecia estar junto dela. Noite escaldantes de Verão em que materializava o rosto dela na ventoinha que debilmente refrescava o velho sótão.
E o telemóvel sempre como elo de ligação, ainda que com tarifário pré-definido.

Quanto ao resto - chamadas que poderiam fazer com que hoje não estivesse a engendrar maneiras de gastar o mínimo possível na aquisição de outro telemóvel - , o velho Nokia não trouxe grande sorte.
Sucederam-se os falsos alarmes mascarados de entrevistas de emprego.
E cada chamada com "número privado" atendida era, muitas vezes, um logro em público, uma cabeça baixa, um suspiro deprimido.
Nessa área, desejo ardentemente que o novo telemóvel que ainda está exposto num qualquer agente autorizado Vodafone, traga mais sorte.

O meu velho Nokia, além das mensagens anunciadas em neon azul turquesa, não tinha estas novas funcionalidades de fotografar, filmar, ouvir rádio ou ir às compras sozinho, mas era um companheiro do caraças.

Já vai longo este réquiem.
O velho Nokia vai deixar saudades, mas o amanhã nunca morre.
A viuvez terá que ser aliviada ao mesmo tempo que a carteira, mas isso acontece em todos os serviços fúnebres.
Segue-se um outro telemóvel, com todas as mariquices a que tenho direito.



8 comentários:

Mad disse...

Emoldura-o. A sério. Gosto deste teu aspecto sentimentalão. Eu sou igualzinha (debaixo de camadas e mais camadas de sarcasmo).

Anónimo disse...

Imagino se fosse o cao...

nf

FL disse...

JP,

Os meus sentimentos! Agora vai lá comprar outro depressa que já deve andar alguém atrás de ti para te contratar... boa?

Oh Mad... Nós vamos emoldurar o nosso:)

João Paulo Cardoso disse...

mad:
Não está emoldurado mas está guardado com todo o carinho.

Quanto ao meu lado sentimentalão, ele vai se fazer notar mais vezes, faz parte do meu código genético, mas no "Eldorado" procuro dar primazia de publicação ao meu lado folião que, de resto, só existe nos textos.
Além do mais...

EPA! CHEGA DE FALAR DE MIM!

Volto a falar das minhas crises existenciais se providenciares uma junta de psiquiatras, psicólogos, terapeutas e mães de santo.

Beijos.

João Paulo Cardoso disse...

Null Fame:

O Cão???
Caro amigo, se fosse a aparelhagem já era bem pior!!

Se fosse o cão era o fim do mundo!!

Mickey Forever!!

João Paulo Cardoso disse...

Flora:

Já há substituto para o velho (com dois anos e meio era velho? Não me parece!)Nokia.

Chama-se Sharp.
Fotografia, vídeo, jogos, toques reais, bla, bla, bla.

Sem neons azuis turquesa.
Sem valor sentimental.

Beijos.
E faz favor de comentar aqui mais vezes!!

Susana disse...

Oh João, sinto muito... Sei bem o que é um nokia morrer depois de tantos sorrisos e lágrimas. Desejo-te um novo nokia (será o melhor digo eu), e que este te traga as mariquices e a continuação de sms e chamadas com coraçõezinhos. Coisas que nunca deveriam terminar. Estou impressionada meu caro, deveras impressionada.:)

Beijos

João Paulo Cardoso disse...

Susana:
Eu sei que o meu talento é cada vez mais uma evidência, assim como o céu ser azul ou o Cláudio Ramos ter um piquinho a azedo.
Estares impressionada é, assim, a consequência natural de leres um blog espectacularmente bem feito e...

A sério, "estás impressionda" com o quê, que eu não percebo?

Quanto ao novo Nokia, como respondi no recomentário à Flora, é um Sharp.
Para mudar um pouco.

Beijos.