15 maio 2009

As Cuequinhas


Há um docente de uma escola do Pinhal Novo que tem medo de cuequinhas.

A visão torturosa e rendada das cuequinhas de uma menor de idade perturbou-o, quiçá num involuntário lampejo decalcado das histórias de Nabokov.

Não sinto - à flor da pele ou nos mais negros meandros do meu consciente - cócegas na líbido ou na moralidade quando se me oferece a visão das cuequinhas de uma míuda de 14 anos, mas respeito o facto de cada um se sentir melindrado na invasão dos limites desenhados pela sua consciência.

Concordo com a imposição de regras e normas de conduta, desde que dotadas de transigência, maleabilidade e desprovidas de ridiculosas mesquinharias potenciadoras de manchetes a arder ao vento.

E sinto-me confortável e imperturbável no papel de voyeur que observa cuequinhas indiscriminadamente da idade, sexo ou estatuto social de quem as veste, excepção feita a Alberto João Jardim.

4 comentários:

Rita Vasconcellos disse...

Loli

... mas chamo a atenção que não vem de Lolita ....

bj

Anónimo disse...

tava era incomodado porque bem queria fazer umas certas coisas, mas nao podia em frente a toda a gente...

João Paulo Cardoso disse...

Rita Vasconcellos:

Bem-vinda seja a esta casa de petiscos, Rita.

Espero lê-la por cá mais vezes, com a certeza de que vamos continuar a ler-nos por aí.

Beijos.

João Paulo Cardoso disse...

Anónimo:

"Fazer umas certas coisas"?!
Muito vago.

Um abraço.