13 março 2007

Ópio para um povo sentado no sofá

Post nº 62

Começou no domingo mais um inenarrável programa da TVI. Chama-se "A Bela e o Mestre", mas nem o trocadilho espirituoso limpa as toxinas de mais um lixo televisivo 'made in TVI', a televisão líder de audiências em Portugal.

A televisão de Queluz, apesar de liderar as preferências dos teleespectadores e dos anunciantes, não desiste de estupidificar as mentes lusitanas com programas do mais puro requinte troglodita, de que "Fiel ou Infiel" é o exemplo mais asqueroso.
Fascínio pela eternização do poder? Nesse caso a fantasia de José Eduardo Moniz utilizada por altura do aniversário da estação - vestido de imperador romano - assentou-lhe que nem uma luva.

Os objectivos que norteiam o director de programas da TVI são puramente comerciais. Nem o próprio, com toda a boa vontade, conseguirá escolher na sua grelha, dois programitas do seu agrado. Dirá mais um milhão de vezes que a sua televisão transmite o que as pessoas querem ver. Errado. O povo escolhe a TVI como o fumador escolhe a nicotina: está adicto e despreocupado.

Ainda assim, por vezes consegue deixar a droga de lado e escolher telemomentos mais dignos. Aconteceu na última quinta-feira, quando milhares de teleespectadores preferiram a nostalgia evocada pela RTP, a propósito dos seus 50 anos, a mais um momento de contra-programação ordenada por xicos-espertos, como a pretensiosa "Gala das Sete Maravilhas".
A produção de Filipe la Féria até tinha todos os condimentos para liderar audiências num outro dia qualquer, mas José Eduardo Moniz preferiu dividir na tentativa de reinar, saindo-lhe o tiro pela culatra. O investimento, na ordem de largas centenas de milhares de euros, foi dinheiro deitado à rua.

No último domingo, o povo que se senta no sofá, voltado para a televisão, já não escolheu tão bem. "A Bela e o Mestre" foi o segundo programa mais visto do dia. Sem falar nos programas da 2:, ou a possibilidade de ler um bom livro, refiro que os "Gato Fedorento" desceram nas preferências. Possivelmente, os portugueses acham bem mais engraçado rir da pobreza intelectual de meia dúzia de boazonas, desconhecendo que se riem da própria ignorância.

Quando um povo ri das sua próprias limitações, mas não faz mais do que isso, rir à parva, descurando a necessidade de emendar os erros e seguir em frente, então o assunto deixa de ter graça e passa a ser um caso muito sério.

A DESCOBERTA DO COELHO DA PÁSCOA, EM EXCLUSIVO N' "O ELDORADO"!
FALTAM 23 DIAS.

5 comentários:

Miosotis disse...

Olá!
Posso até concordar com alguns aspectos do teu post mas caramba.....não exageremos!
Quando te contam uma anedota, de que te ris?
Certamente da estupidez da mesma!
Então?!
Deixanos rir um pouco das estupidezes dos outros, porque de assuntos sérios e desgraças já estamos nós fartos!
E estes fenómenos das audiências têm tanto que se lhe diga.....
Fica bem!

Miosotis disse...

Ooops...
desculpa o erro...
Rectifico..."Deixa-nos..."

João Paulo Cardoso disse...

miosotis:
Na verdade, eu sou o primeiro a rir da minha própria estupidez, mas garanto-lhe que só o faço porque sou estúpido...

Há dias em que apetece-me desatar a criticar tudo e todos, até mesmo uma televisão da dimensão da TVI...

Se um dia os marcianos viessem à Terra, eu era o primeiro a pôr em causa a diplomacia planetária, com um qualquer comentário desapropriado...

E já a minha avó passava a vida a repetir:
Ó João Paulo, não sejas estúpido! Vem cá cortar as unhas dos pés à avó!

Não era nada assim. Estou a ser estúpido...

João disse...

Unhas a parte, subscrevo plenamente o que diz o Joao Paulo. Alias, acho que esta a ser minimalista. Este pais esta condenado pela pauperrima mentalidade dos seus habitantes... Nao eh a toa que se estima estar atrasado 30 anos em relacao a paises como a Holanda. E ha quem nao esteja disposto a esperar. E nao eh curioso o facto de se confirmar este estado, mas sim a razao porque nao se faz nada quanto a isso. (jcrespo73@gmail.com)

João Paulo Cardoso disse...

João:

Como é que o senhor descobriu este blog? Por onde é que o senhor anda?

(e mais umas quantas perguntas com a palavra "senhor"...)

Entretanto, aqui vão mais umas palavras:

cardoso.jpaulo@gmail.com