18 novembro 2008

Os 80 Anos do Mickey Mouse

Um dia destes atropelei mortalmente um rato numa estrada secundária.
Ainda tentei desviar-me quando o roedor apareceu à minha frente vindo de nenhures mas, dois segundos depois, ouvi um "splash" elucidativo.

Vejo muitos animais na estrada, principalmente ao volante, mas aquele, coitado, não teve culpa que eu não conseguisse guinar o carro para a direita para não o atropelar, imediatamente a seguir para a esquerda para evitar o camião TIR, e ainda uma inversão de sentido de marcha seguido de um loop para não passar a ferro dois ucranianos que seguiam com 17 sacos de compras vindos de um qualquer Lidl.

Hoje, para me redimir, homenageio aqui o mais famoso dos ratos.

O Mickey Mouse completa 80 anos, algo só possível porque desenvolveu a sua carreira no cinema, na televisão e nas revistas, longe da possibilidade de se atravessar à minha frente numa estrada esburacada.

Criado por Walt Disney em 1928, foi protagonista de um dos primeiros filmes sonoros, em "Steamboat Willie".
A partir da figura do simpático camundongo (vá ao dicionário) foram criadas outras personagens que fazem parte do imaginário infantil, como o Pato Donald com laranja, o Tio Patinhas, o Bush, digo, o Pateta, o Pluto, a Minie, a Super Bock e muitos outros.

Pela sua faceta aventureira e perspicaz "deslindagem" de casos de crime, podendo vir daqui a expressão "esperto como um rato", o rato Mickey foi sempre a minha personagem Disney preferida, embora, nos últimos anos, tenha especial fascínio pelo Tio Patinhas ou melhor, pelos seus quaquiliões.

E foi inspirado no rato que foi dado o nome ao cão lá de casa - no que resultou em um dos mais amaricados baptismos de canídeos de que há memória - mas este Mickey só faz anos em Janeiro.

Aqui em baixo uma precisosidade encontrada na Feira da Ladra do YouTube.
"Wild Waves", um filme de 1930 com ondas, ratos e ratas, mas sem mamas, porque a Pamela Anderson nem sequer era nascida.

6 comentários:

Patrícia disse...

esqueceste-te da importãncia da revista gina no imaginário infantil...

João Paulo Cardoso disse...

Patrícia:

Então?!!!!
Estava tudo a correr tão bem!!

"A revista 'Gina'"?!
Não faço ideia o que seja...

Querias dizer "Chocolates Regina", não era?

Pronto... já passou.
Já podem trazer as criancinhas para o pé do computador...

:)

Beijos.

Chichas disse...

adorei a primeira frase. Atropelar mortalmente um rato é bestial.Dificil seria deixá-lo ferido :P
abraços!

Mariazita disse...

Um herói de 80 anos com o aspecto de um jovem!
Gostei do texto. Está com muito humor. Gostei particularmente dos muitos animais que andam pelas estradas.
O vídeo da Feira da Ladra...é giro.
Reparaste que até o lenço que o Mickey oferece à Minie para limpar as lágrimas tem o monograma dele?
Bons tempos. Agora a garotada já não aprecia estas coisas.
Uma noite boa
Beijos
Mariazita

João Paulo Cardoso disse...

Chiças:

Mas porque é que não era possível atropelar um rato e deixá-lo apenas ferido?!

Malta pessimista, pá!

Assinado:
José Sócrates.

P.S:
(cá está, José Sócrates... PS...)

Gosto muito do teu blogue.
Em breve há-de merecer um link na coluna da esquerda se mo permitires.
Um abraço.

João Paulo Cardoso disse...

Mariazita:

Já não há cavalheiros como o Rato Mickey e daí que entenda que a maior parte dos homens erra, e de que maneira, quando se arma em macho perante a expressão
"és um homem ou um rato?"

A resposta mais acertada seria
"sou um rato, mas tão gentleman que ofereço às ratinhas mais choramingas, um lenço bordado com as minhas iniciais".

Beijos.

P.S:
Em vez de "ratinhas choramingas" ia escrever outras coisa, mas os trocadilhos brejeiros têm limite.